Arte

O Alimento da Alma

  • by
O Alimento da Alma por Vitor Beuren     Olhamos ao redor e o que vemos? O que ouvimos? O que lemos? O que nos move pelos trabalhos da vida? Qual o nosso alimento da alma?     Perguntas importantíssimas, evidentemente. E com pesaroso considerar respondemos: vemos a feiura; ouvimos a obscenidade; lemos conversas virtuais dispersas; movemo-nos pelo medo do futuro ou do passado; alimentamos nossa alma com lixo e com vícios.… Continue a ler »O Alimento da Alma

O Impacto Literário da Versão Autorizada

  • by
O Impacto Literário da Versão Autorizada por C. S. Lewis tradução de Vitor Beuren Tradução alguma é capaz de preservar inalteradas as qualidades de seu original. Por outro lado, exceto quando se trata de poesia lírica, o efeito literário de qualquer boa tradução deve-se mais ao original do que a qualquer outra coisa. Isso é especialmente verdadeiro na narrativa e na instrução moral. Quando os originais são hebraicos, isso vale… Continue a ler »O Impacto Literário da Versão Autorizada

Beleza e Dessacralização

  • by
Beleza e Dessacralização por Roger Scruton tradução de Vitor Beuren     Em qualquer momento entre 1750 e 1930, se pedíssemos a uma pessoa educada para descrever o objetivo da poesia, da arte ou da música, “beleza” teria sido a resposta. E se você perguntasse qual era o ponto dela, aprenderia que a beleza é um valor, tão importante a seu modo quanto verdade e bondade, e sem dúvidas dificilmente distinguido… Continue a ler »Beleza e Dessacralização

A reforma não intencionada de Dostoiévski

  • by
Os personagens de Fiodor Dostoiévski, como o próprio Fiodor Dostoiévski (surpresa!), frequentemente revelam uma hostilidade ao protestantismo e, em geral, à cristandade ocidental. Pode-se ver isso em Os Irmãos Karamazov. Por exemplo, em O Grande Inquisidor, Ivan se refere a “uma terrível nova heresia” que “apareceu no norte da Alemanha”, isto é, o luteranismo [1]. Em Que Assim Seja! Que Assim Seja!, numa discussão sobre tribunais eclesiásticos, o ancião Zosima… Continue a ler »A reforma não intencionada de Dostoiévski